sexta-feira, 14 de maio de 2010

Refletindo




Em resposta aos questionamentos da Tutora Maura, resolvi fazer uma postagem ao invés de apenas responder através de mail ou postar um comentário na postagem questionada:
Situando o leitor: Com o intuito de minimizar os problemas de relacionamento que estamos enfrentando em sala de aula, fiz um planejamento com textos e atividades sobre convivência. Para que minha intenção se concretizasse, para que pudéssemos ter um relacionamento com limites, respeito e favorecendo a construção da autoestima de todos os alunos, li os textos que estudamos em psicologia, principalmente no TCC da graduanda B. G. F., orientada pela professora Luciane - A CONSTRUÇÃO DOS LIMITES DAS CRIANÇAS – 2009.
O resultado obtido após a semana de trabalho, foi muito positivo e produtivo, pois consegui levá-los a refletir sobre a sua agressividade ao se relacionar, os alunos, foram unânimes em concordar que muitas vezes uma palavra que um diz sem pensar pode desencadear uma situação muito desagradável. Minha intenção é que "todos" consigam mudar a forma de se relacionar para consequentemente ver o mundo além do seu próprio "umbigo". O que pude observar, nessa semana é que muitos alunos já demonstram autonomia nos debates e muitas vezes interagiram com o colega para minimizar um conflito ao invés de instigá-lo para a agressão. 
Em anos anteriores, eu encaminharia os alunos que estavam extrapolando os limites para o SOE, mas agora eu me sinto mais segura para resolver estes conflitos em sala de aula, pois tenho onde buscar os subsídios necessários. Não podemos esquecer que para haver colaboração entre os alunos é primordial que haja respeito, visto que de outra forma não há como aceitar as ideias do outro para uma escrita colaborativa.

3 comentários:

Biapedag disse...

Oi, Ivana!
Coloca no google "Draguinho , diferente de todos, parecido com ninguém" è um livro bem interessante. Trabalhei com meus alunos, lendo em capítulos...
Bjs

mauranunes.com disse...

Ivana, que bacana! Para haver colaboração entre os alunos, o professor tem de proporcionar momentos para que isso ocorra e possibilitar que as relações fluam.... e para isso, manejar com os conflitos que possam ocorrer (sempre ocorrem). E parece que estás fazendo isso, revisitando teus conhecimentos, teus posicionamentos, desenvolvendo uma relação de parceria com teu aluno. Ótima reflexão (deste conta do teu momento, ligando a tua trajetória). Bjs,Maura - tutora do SI

Kátia Diehl. disse...

Olá Ivana !
Que bom que você obteve uma resposta positiva da turma em relação aos questionamentos e reflexões.
Adaptei e trabalhei com a minha turma a seguinte vivência na semana passada:

A Folha de Papel

Quando mais jovem, por causa de meu caráter impulsivo, tinha raiva e na menor provocação, explodia magoando meus amigos.Na maioria das vezes, depois de um desses incidentes me sentia envergonhado e me esforçava por consolar a quem tinha magoado.Um dia, meu professor me viu pedindo desculpas depois de uma explosão deraiva, e me entregou uma folha de papel lisa e dizendo:
- Amasse-a!
Com medo, obedeci e fiz com ela uma bolinha.
- Agora -voltou a dizer-me- deixe-a como estava antes.
É obvio que não pude deixá-la como antes. Por mais que tentei, o papel ficou cheio de pregas. Então, disse-me o professor:
- O coração das pessoas é como esse papel...a impressão que neles deixamos será tão difícil de apagar como esses amassados.
Assim aprendi a ser mais compreensivo e mais paciente.
Quando sinto vontade de estourar, lembro deste papel amassado.A impressão que deixamos nas pessoas é impossível de apagar. Quando magoamos com nossas ações ou com nossas palavras, logo queremos consertar o erro, mas muitas vezes é tarde demais.
Alguém disse, certa vez:
"Fale quando tuas palavras sejam tão suaves como o silêncio"

Todos compreenderam e muitos ficaram bem impressionados com as marcas que podemos deixar nos corações das pessoas.

Outra sugestão é o livro: Se liga em você - Autor: Luís A. Gasparetto.

Um linda semana para você !
Beijinhos !
Kátia Diehl.